RinoGas

quinta-feira, fevereiro 24, 2005
sobre minha vida de brinquedo

Dizendo assim por alto, a vida é exatamente como um kit lego com uma peça a menos. Não importa quantas vezes você construa seu brinquedo, sempre vai faltar uma pecinha. O que faz com que você tente construir infinitas vezes, construindo e desconstruindo ilusões, uma atrás da outra, justamente porque sempre sempre depois de olhar bem de perto a novidade, você sente e sabe que falta alguma coisa, a pecinha, e desmonta tudo para começar de novo.
Obviamente que esses brinquedos que montamos são sempre diferentes uns dos outros, e toda vez que se juntam as peças se junta também aquela sensação despedadaçada, que parece com uma coceguinha na barriga, conhecida vulgarmente como esperança; e de que agora sim vai ser diferente, e que sim o mundo é batuta, e que sim a vida é formosa e colorida; só um pouquinho sem curvas, como todo conjunto de lego é, mas que dá pra encarar. E a maior traquinagem desse brinquedo é que todas as possibilidades a serem montados são essencialmente iguais; o modelo, o design, a aerodinâmica pode até variar um pouco ou bastantão se você for meio esquisofrênico, mas no fundo, no fundo serão invariavelmente constituídos pelas mesmas peças e por mais que você não tenha muito senso estético ou discernimento crítico, por dentro você estará sempre sempre sentindo a falta da tal pecinha, não importa o que se faça, como se monte, ou como se destrua.