RinoGas

segunda-feira, janeiro 17, 2005
sobre o sonho e o vento

Se nesses dias eu soubesse os motivos e necessidades da vida, se tivesse a noção exata de cada momento, de cada atitude e cada gesto; eu nunca que seria eu mesmo. Seria um escravo do vento, sempre perseguindo com olhos astutos o meu inconsciente. E ainda assim eu faria, sem mais nem menos, sem pudor ou arrogância, simplesmente por fazer - mas sempre sempre com a dose de charminho na medida exata - dos meus sonhos verdades e das verdades meu alimento.