RinoGas

sexta-feira, janeiro 14, 2005
sobre meus conselhos a deus

O que mais me perturba o sono são esses dois, ou três, ou sei lá quantos olhos que você tem, me vigiando todos os dias, todas as noites em absolutamente tudo o que faço. Eu preciso de privacidade, veja bem, digo... veja menos. Não tem como viver assim, com essa onipresença toda, sabe? Não tem como ser natural e espontâneo e ser eu mesmo. Eu me sinto coagido, sufocado, preciso de mais espaço, entende? Tudo bem você querer expiar um corpinho desnudo aqui ou ali de quando em vez, mas toda toda hora não dá. Definitivamente não dá.

Outra coisa, eu odeio não poder te fazer perguntas retóricas. Que graça tem, se você já sabe todas as minhas respostas pré-fabricadas? Nenhuma, nem uma que tem! E você sabe o quanto as perguntas retóricas são importantes para nós megalomaníacos. Você precisa relaxar mais, esse medo de traição, de infidelidade, se precavendo a todo instante descobrindo o que os outros pensam. Saiba que as surpresas podem ser agradáveis, não precisa ficar com todos esses pés atrás, querendo saber tudo de todo mundo.

E por último, eu detesto quando você insiste na coisa mais detestável no universo das coisas detestáveis: a fé cega! Você não pode ser tão obtuso a ponto de exigir isso de todos nós. Eu particularmente acho que um pouco de terapia não lhe faria mal algum. Eu duvido que esteja plenamente satisfeito com as coisas do jeito que estão, talvez esteja na hora de começar a pensar nos outros de maneira muito outra, mas quem sou eu para duvidar de deus?!