RinoGas

quarta-feira, janeiro 26, 2005
o inútil e os tolos

Mais metódico, impossível.
Toda sexta-feira, no início do dia, imprimo a programação de cinema. Em preto e branco, para que eu possa, com minha indefectível caneta vermelha, sublinhar as possibilidades para os dois dias seguintes. Após devidamente marcadas, estabeleço 5 níveis de prioridades, ao lado do título de cada uma delas - baseada em rápidos comentários de algumas pessoas que considero, leitura em jornais e colunas, intuição e fé, e minha simpatia pelo nome original do filme, nacionalidade, diretor e diretor de arte (este último fundamental, pois não há sentido em ver coisas sujas e feias) - estabeleço sua prioridade, de 1 a 5.
Apesar de apreciar muito ir ao cinema sozinho (fato que me dá tremenda sensação de segurança e poder, não sei bem ao certo por quê), quase sempre vou com mais de uma pessoa. Claro que tenho absoluta certeza de que meu criterioso sistema de seleção, baseado única e exclusivamente em meus próprios valores, é infalível. Assim como acredito que sou bom em tudo que faço, e minhas idéias são as mais geniais entre tantas outras. Por isso, EU defino qual o filme que vamos ver. As vezes acerto, outras vezes sou destruído, mas sempre estou com a razão.
Do que adianta acreditar em seus valores pessoais como certos (inclusive este mesmo: o certo e o errado), se você não pode convencer os outros destes valores? Sou vaidoso, sempre declaro minha opinião, dou a cara para bater, e se não concordam, falhei em meu objetivo. Vivo numa lugar cheio de idéias estúpidas, e se não puder alterar o ponto de vista dos outros, não há sentido em ser alguém que pensa, analisa e cria. Se todos fossem como vacas de presépio, ainda estaríamos trepados em árvores, cagando uns sobre as cabeças dos outros.
Então quando eu jogar um texto numa coluna de jornal, ou em seu blog, não se ofenda. Estou apenas tentando melhorar as pessoas. Desejo que todas sejam como eu, melhor. Só que um pouquinho pior, para que eu continue manipulando. Continuarei separando as coisas, o útil e o inútil. Vou ficar feliz se outros seguirem, e lamentar se discordarem.
por Holden Caufield