RinoGas

terça-feira, novembro 09, 2004
Sobre o Gardenal e o amor

Existem coisas na vida que são de dar raiva!
Alguém que diz um beijo no coração, atendentes de telemarketing, pessoas que pedem esmola com uma criança no colo. Pessoas vulgares, com tendências vulgares e modos vulgares. Tudo isso dá raiva, mas tem uma coisa que dá mais raiva ainda: fim de relacionamento. Eu jamais queria ter ex, lidar com isso é extremamente complicado, sem contar com o fato que ex serve só para ser ex. De qualquer forma, tem um poema muito interessante sobre o assunto, é de um nicaragüense que se chama Ernesto Gardenal.

"Al perderte yo a ti, tu y Yo hemos perdido
Yo porque tu eras lo que Yo más amaba
Y tu porque Yo era el que te amaba más
Pero de nosotros dos tu pierdes más que Yo
Porque Yo podré amar a otras como te amaba a ti
Pero a ti no te amaran como te he amado Yo"


Então quem já terminou um namoro, ou que pretende terminar um relacionamento ou principalmente que deseja ameaçar o parceiro que está pensando em terminar sugiro que guarde bem essa poesia.

Com isso, pensei algumas coisas.

Ernesto Gardenal, GARDENAL, só um cara meio biruta mesmo pra falar essas coisas. Para amar tem que ser meio doente e o amor é até uma coisa meio vulgar. Rosas vermelhas. Serenata. Jantar romântico à luz de velas. Blargt.

Pensei ainda que não sou o único rancoroso, Ernesto também é dos meus. Mas deixa. Isso é outra história.

Ah esquece! Relê o poema vai. Relê.